Pular para o conteúdo
Voltar

Investimentos em trechos sob concessão ultrapassam os R$ 160 milhões em 2019

MT-320/208 e a MT-100 somam 300 km de trechos sob concessão, beneficiando 130 mil moradores de cinco municípios de duas diferentes regiões mato-grossenses
Julia Oviedo | Secom-MT

$imgCred
A | A

Mato Grosso caminha para uma nova realidade com as recentes concessões de rodovias. Este ano, duas estradas estaduais foram entregues à iniciativa privada, que culminou em investimentos na ordem de mais de R$ 160 milhões, que tornaram estes trechos mais seguros e com maiores condições de trafegabilidade.

A MT-320/MT-208 e a MT-100 são frutos do leilão realizado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), que ocorreu em fevereiro de 2018. Juntas, as duas estradas somam aproximadamente 300 km de trechos sob concessão, beneficiando 130 mil moradores de cinco municípios de duas diferentes regiões mato-grossenses.

No caso da MT-320/MT-208, que engloba 188,2 km de rodovia na região do município de Alta Floresta, o contrato de concessão foi assinado em abril deste ano, durante evento no Palácio Paiaguás.

A iniciativa beneficia 112 mil pessoas dos municípios de Alta Floresta, Carlinda, Nova Canaã do Norte, Colíder e Nova Santa Helena, localizados na região norte do Estado. A empresa vencedora foi o Consórcio Via Brasil, mesmo grupo que detém a concessão do trecho da MT-100, entre os municípios de Alto Araguaia e Alto Taquari, na região sul do Estado.

Neste primeiro ano foram investidos mais de R$ 83 milhões na limpeza e recuperação do sistema de drenagem, dos sistemas elétricos e de iluminação, do pavimento, na sinalização da rodovia, entre outros serviços.

Já para 2020, a concessionária deve concluir estes serviços preliminares e adotar o sistema de pedágio, como foi o caso da MT-100, que teve entrega simbólica da primeira fase em novembro deste ano.

MT-100

A concessão da MT-100 prevê um total de 111,9 km, sendo que destes 91,4 km já foram totalmente recuperados. O trecho beneficia mais de 20 mil moradores dos municípios de Alto Araguaia e Alto Taquari, na região Sul do estado. O prazo da concessão é de 30 anos, sendo que em cinco anos os investimentos somarão R$ 205 milhões, podendo chegar a R$ 745 milhões ao longo dos 30 anos.

A melhoria reduz em até 200 km a distância até o porto de Santos (SP), ideal para o escoamento da produção local. O secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira defendeu o modelo de concessão para que os motoristas possam trafegar com mais segurança.

“Hoje o que acontece é que nós asfaltamos e três ou quatro anos depois com o volume de carga que passa em nosso estado, você tem que fazer a manutenção. Quando se tem a rodovia sob concessão, a empresa é responsável por isso, em um ritmo muito mais rápido e frequente”, destacou o secretário.

Ainda conforme o gestor da Pasta, com as concessões Mato Grosso seguirá o exemplo de estados como São Paulo, que possui 100% de sua malha viária pavimentada.

“A manutenção é frequente, você não tem problemas com estas rodovias. Então nós precisamos ter coragem de fazer estas concessões aqui em Mato Grosso. As concessões são necessárias e urgentes. São investimentos grandiosos a longo prazo”, ressaltou Marcelo. Com as duas rodovias sob concessão, Mato Grosso passa a ter agora sete trechos administrados pela iniciativa privada.

Novas concessões

Para 2020, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) pretende lançar outras sete novas concessões, totalizando mais de 1300km de estradas. Duas delas já tem lançamento de edital previstos para o início deste ano. No caso da MT-130, que liga Primavera do Leste a Paranatinga, serão 140,6 km de rodovia sob concessão. Já de Nova Olímpia a Tangará da Serra, serão 233,2 km.

As outras cinco concessões previstas para o próximo ano ainda estão em fase planejamento de estudo de viabilidade, são elas: MT-220, que liga Sinop a Tabaporá; MT-240/326, de Água Boa a Cocalinho; MT-020, de Paranatinga a Canarana; MT-010/246, de Cuiabá a Rosário Oeste e MT-100, de Barra do Garças a Alto Araguaia.