Pular para o conteúdo
Voltar

Construção de pontes de concreto na Transpantaneira está acelerada

Mesmo com chuvas, o trabalho continua para substituir as estruturas de madeira. Ao todo serão 31 pontes novas, todas em concreto e aço
Maíza Prioli | Sedec-MT

A | A

As obras da MT-060 (Transpantaneira) continuam em ritmo acelerado mesmo com as chuvas se intensificando este mês na região. Quatro novas pontes de concreto e aço que estão sendo construídas pelo Governo do Estado já estão concretadas, restando apenas os aterros da cabeceira para serem feitos, e outras cinco aguardam a concretagem. No total, serão construídas 31 pontes que somam R$ 12,6 milhões e fazem parte do Programa de Desenvolvimento Sustentável do Turismo (Prodeustur), cujos projetos são elaborados e geridos pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec).

O secretário-adjunto de Turismo, Luis Carlos Nigro, vistoriou na sexta-feira (08.01) as obras na região, que contempla também a restauração de 76 quilômetros da MT-060, entre a BR -070 e a cidade de Poconé, e a reurbanização da avenida Aníbal de Toledo, que faz a ligação da entrada da cidade à saída para o Pantanal.

As pontes começaram a ser construídas em outubro e a previsão do Governo do Estado é que as 31 pontes estejam prontas no final do segundo semestre deste ano. Elas estão localizadas entre o início da Transpantaneira e o Rio Pixaim. Esse trecho foi priorizado por ser o mais movimentado turisticamente.

Nele estão 32 empreendimentos, entre hotéis e pousadas. A rodovia, com 147 quilômetros de extensão, liga Poconé até a localidade de Porto Jofre, no coração do Pantanal mato-grossense, uma das regiões turísticas mais importantes e conhecidas do Estado.

Nigro destaca que as obras da Transpantaneira irão solucionar um problema crônico do turismo na região. “É um resgate histórico que está sendo feito pelo Governo do Estado. Esta região é mundialmente conhecida, mas ficava intransitável na época da cheia. Com as pontes de concreto teremos acesso ao Pantanal o ano inteiro e com isso vamos atrair mais turistas, que poderão desfrutar das maravilhas do Pantanal com segurança e tranquilidade”.

Nigro informa ainda que as chuvas, que se intensificaram na primeira semana de janeiro, não estão prejudicando o andamento das obras. “Tanto a construção das pontes, quanto a reurbanização da avenida Aníbal de Toledo continuam em ritmo acelerado. Estamos cobrando as empreiteiras responsáveis para que entreguem as obras no prazo. As quatro pontes prontas já estão com o concreto seco. Já as outras cinco que estão sendo finalizadas serão concretadas a partir desta semana e é preciso esperar cerca de 20 dias para a completa secagem do concreto”.

De acordo com o engenheiro responsável pelas obras da construtora Santa Lúcia, Haggy Sotolani, a tecnologia utilizada na construção das pontes é um diferencial. “São pontes pré-moldadas, as vigas são em estrutura metálica e já vêm prontas. Com isso conseguimos fazer uma ponte em cerca de 50 dias. Se fosse uma ponte convencional levaria no mínimo três meses. Além disso, a durabilidade gira em torno de 50 anos e não é necessário fazer a manutenção todos os anos como as pontes de madeira”. Na construção de cada ponte trabalham, em média, oito operários.

As obras são executadas por meio de convênios com a Secretaria de Infraestrutura (Sinfra). O fiscal das obras na Transpantaneira, Tércio Lacerda de Almeida, explica que as pontes de madeira têm um custo de manutenção anual de R$ 3,5 milhões. “Com a troca pelas pontes de concreto e aço, que têm uma durabilidade maior, o Estado vai economizar e investir na construção de mais pontes”.

Proprietária de uma lanchonete na Transpantaneira há 13 anos, Lídia Veríssimo acredita que com as pontes de concreto o volume de turistas na região se manterá durante todo o ano, agregando assim mais valor ao turismo no Pantanal. “Vai melhorar muito, principalmente na época da cheia, que para nós é considerada baixa temporada por conta da dificuldade de acesso, com muitas pontes que ficam intransitáveis. Com as pontes de concreto isso não vai mais acontecer e os turistas poderão visitar o Pantanal com a certeza de que não terão o passeio interrompido”.

Além da construção das pontes de concreto, duas pontes de madeira que estavam praticamente intransitáveis e que não estão localizadas na região contemplada com as obras foram reformadas pelo Governo do Estado.

Prodestur

Todas essas obras estão sendo realizadas por meio do Prodestur, que é um programa estratégico da cadeia produtiva do turismo voltado a investimentos em infraestrutura turística criado e desenvolvido pela Sedec. Seu principal foco é o desenvolvimento com a geração de emprego e renda na cadeia do turismo.